domingo, 13 de maio de 2007

Filmes - Bala na Cabeça


BALA NA CABEÇA (DIE XUE JIE TOU) - Hong Kong/China 1990; Dirigido por Jonh Woo; com Tony Leung , Jacky Cheung, Waise Lee, Simon Yam e Fennie Yuen

Filme que narra a saga de três amigos ao longo dos anos, relatando a luta deles contra mafiosos sob o efeito da guerra do Vietnã. Pode não ser a melhor obra de John Woo, mas sem dúvida este é o seu filme mais típico, mais caracterísco e colado ao seu já famoso estilo. Em Bala na Cabeça vemos todas as manhas e facetas de Woo serem potencializadas ao máximo, o uso de câmera lenta é constante, permeando todas as cenas de ação, a quantidade de pessoas, projéteis, estilhaços e particulas é abundante em tais cenas, preenchendo todo o quadro cinematográfico, nunca o seu balé de violência resolveu se mostrar em tamanha quantidade como aqui. A amizade e o sentimento de honra, mais um tema recorrente do realizador, talvez tenha sido ao mesmo tempo o ponto forte e fraco, do filme. Forte no sentido que deu a argumentação suficiente para que a obra ganhasse uma aura de épico-tragédia, a complexidade do relacionamento dos três amigos/protagonistas, seus desdobramentos temporais e de espaço durante a duração do filme, permeando e justificando as intensas, violentas e vingativas cenas de ação, deram a base suficiente para que o filme se solidificasse e se destacasse junto a grande quantidade de filmes do gênero que o cinema de Hong-Kong produzia no período. Ponto fraco também , porque a verve sentimental de Woo, sempre forte mas na sua medida certa em filmes como Fervura Máxima, aqui em certo momento, principalmente na parte final do filme, acabou desembocando em melodrama quase de tele-novela. A seriedade que os protagonistas encarnam suas cenas no entanto fazem com que este melodrama se torne pouco prejudicial na narrativa do filme. A passagem temporal da obra, em plenos anos sessenta durante forte tensão e efeito da guerra fria no oriente dão o tom de densidade, negativismo e seriade mais fortes que o habitual; os efeitos no passar dos anos em seus protagonistas rementem claramente a uma das obras máximas do cinema: Era Uma Vez na América, de Sergio Leone, diretor italiano cultuado declaradamente por Woo. A passagem nas selvas do Vietnã, durante sua famigerada guerra, sem dúvida é o melhor momento da película. Visceral, densa e permeada com doses fortes de brutalidade; impossível não perceber nesta passagem ecos fortes de outra obra-prima: O Franco Atirador, de Michael Cimino. Por suas fortes influências de ídolos do diretor Chinês, pelo pano de fundo histórico nostálgico, Bala na Cabeça é já declarado por Woo como seu filme mais pessoal, por seus excessos, acabou se tornando um filme de difícil digestão por seu público admirador dos arrasa-quarteirões do oriente feitos com o astro Chow Yun Fat. Longe de ser um fracasso, Bala na cabeça representou o diretor buscando alternativas dentro do cinema de ação e de seu estilo que na maior parte acabaram dando em acerto, de forma que resolveu aqui deixar o máximo possível de sua marca em todos os pontos. Depois do passar dos anos, o filme passou a ter uma maior valorização, infelizmente devido à uma certa decaída de qualidade do cinema de ação do oriente, e da própria decaída de Woo no cinema de Holyood, que após um começo feliz com A Última Ameaça e A Outra Face, acabou cometendo uma série de equívocos.

3 comentários:

Heraclito disse...

Excelente texto! Pra mim esse filme eh perfeito, meu predileto do Woo ao lado de FERVURA MÁXIMA. Nao acho que o melodrama pesa, isto ocorre mais em THE KILLER, na minha opiniao, mesmo assim THE KILLER eh uma obra-prima tambem... Woo eh foda demais, mesmo fazendo merda nos EUA vou sempre te-lo como um dos meus diretores prediletos.

Takeo Maruyama disse...

"Pode não ser a melhor obra de John Woo..."

Será? Porque esse é o meu filme favorito de Woo, e não acho o drama exagerado, pelo contrário, considero-o na medida certa, talvez porque os atores sejam muito convincentes. A cena em que Tony Leung reencontra Jacky Cheung completamente louco com a bala na cabeça é comovente!

Ah, valeu por linkar o ASIAN FURY, Jau. Já vou adicionar o SUPER ACTION na meu blog também.

Um abraço

Jau disse...

pois é takeo eu achei essa parte que vc citou do bala justamente um pouco apelativa, os atores realmente são muito bons mas eu particularmente achei que esses exageros dramáticos diminuíram o brilho do filme, mas no geral o andamento é tão bom que ele não deixa de ser excelente.